sexta-feira, 25 de maio de 2018

O vazio da vida




O vazio da vida é a falta de expectativa de continuar vivendo, pensando que a vida é um mar de rosas e, não sabendo enfrentar os percalços dela se isola no seu próprio eu e com isso todos os maus pensamentos interferem diretamente numa vida que poderia ser diferente se tivesse outros estímulos para ser uma pessoa preenchida com a felicidade.
O ócio torna uma pessoa triste e amarga. Mas é tão fácil resolver tal situação: procure algo para fazer para que esse vazio evapore e se torne uma pessoa que tenha muito amor intríseco e isso lhe trará prazer na vida matando esse vazio que mora no seu coração.
Estude, namore, dance, sorria mesmo sabendo que é difícil viver, pois as pedras que encontramos no caminho quase nos faz retroceder, mas você é forte e saberá transpor essas dificuldades jogando todas elas ao vento para ser uma pessoa melhor, realizada e feliz.
A leitura de bons livros a fará sonhar, então sonhe, mas sonhe alto e corra para concretizar todos eles, só assim esse vazio perecerá, pois sem o ócio a vida se tornará bela e verá que vale a pena viver sem o seu vazio da vida.
Pense, sonhe e realize.



segunda-feira, 21 de maio de 2018

Venham



Jesus


Venham filhos me deem suas mãos, ainda há tempo para a harmonia no Mundo. Eu amo todos vocês, mas parece que a ganância do homem está contaminando a todos os fracos e famintos.
Cuidado meu filho, estamos no fim dos tempos e os bons eu irei trazer para morarem  comigo no paraíso e ainda lhes digo que sobrará espaço para que no último momento se muitos arrependerem.
E daqui de cima verão o fim trágico e dos ímpios e gananciosos homens maus o que fizeram com a Terra que preparei para todos morarem um tempo, depois a morte viria a cada um de modo diferente e subiriam aos céus os bons e os maus se desintegrariam no ar.
Filhos meus, tenho muito dó das crianças inocentes, portanto virarão anjos coloridos e chegarão até os céus antes dos pais.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Abracei a solidão





Fiquei só na vida
Tenho apenas dez anos
Acordei, chorei
Meus pais se foram

Abracei a solidão
Sem saber o que fazer
Chorei a solidão
Mas resisti a dor

 Embaixo da cama 
Vi uma mala de dinheiro
Tomei banho, fiz café
Saí pra curtir minha dor

Todos ficaram sabendo
Ninguém me ajudou
Nem uma conversa
 Medo que pedisse ajuda

Cresci e no meu quarto
Chorava a tal solidão
Abraçava o travesseiro
Era mais quentinho

Nada falava, estudei muito
E até na Faculdade entrei
Estudei muito grossos livros
Queria ser advogada

No último ano pedi ao professor
Se poderia ser meu padrinho
Da colação de grau e baile
Sabia solteiro e me apaixonei

Nos casamos e fomos morar
Num lindo apartamento
Ali contei minha vida
Que só abraçava a solidão

Meus pais me abandonaram
Tinha apenas dez anos
Deixou casa e muito dinheiro
Com ele fomos ver a casa

Pequena, tudo arrumadinha
Deixei a solidão na casa
E também um bilhete
Pai e mãe podem voltar

Sempre fui equilibrada
Continuei os meus estudos
Queria ser juíza e consegui
 Fomos viajar para a França

Para deixar a solidão e abraçar o amor

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Por caminhos...



Caminhos


Por caminhos andei sem destino numa tragetória sem fim à procura de não sei o quê, para preencher o vazio da vida que infiltrou no meu coração aborrecido que não quer sair. Vou pra lá e pra cá até ver o sol nascer calmo num campo.

Por caminhos andei, meu coração ficou estarrecido de felicidade quando vi uma garotinha correndo no prado e gritando: hoje eu pego o Sol. Quanta inocência! Chegou bem pertinho de mim e disse: vamos passear por aí que lhe mostrarei a escada que fiz para pegar o Sol. Peguei em sua mão e fomos e o que vi estarreceu meu coração, havia apenas um caixote e uma asa de papelão que ela fez, não querendo matar sua inocência lhe disse que iria embora, mas amanhã voltaria , me deu um beijo e fui pra casa.

Por caminhos percorridos subi num trem sem saber pra onde ia, sentou um jovem ao meu lado  e começamos a conversar, ele me perguntou pra onde eu iria e eu lhe disse que não sabia, talvez vou ao encontro de mim mesma, ou seja, atrás da felicidade. Ele olhou pra mim e chorou. Por que chora? Porque eu cheguei ao fim da minha da minha procura.

Por caminhos eu andei, de repente resolvi voltar e  sem querer me deparei com o mesmo jovem. Ele me convidou para almoçar e me disse: eu também cheguei ao fim da minha procura. Nossos olhares se encontraram e levemente beijou meus lábios.

Por muitos caminhos percorridos, eu vindo de um lado e você do outro, nossos caminhos se cruzaram, agora quero me apresentar: eu sou Paula e você? Jaime, esse foi nosso último caminho à deriva, demos as mãos e andamos ao encontro da felicidade. Nos casamos, aguardando nosso lindo filho que chegaria para completar nossa felicidade.

meu 2º casório