segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Desabafo da Lua Singular


Desculpem meus fiéis leitores
Hoje estou muito triste
O mundo parece que desabou
Na minha cabeça

Não posso compartilhar com vocês
O triste acontecimento
Mas como sempre digo
Agarro na mãos de
Nossa Senhora Aparecida

Ela não irá me abandonar
Como nunca fez
E como tudo na vida passa
Essa tristeza também passará

Amanhã será um novo dia
E as esperanças voltarão
E terei várias inspirações belas
Para escrever para vocês

domingo, 30 de janeiro de 2011

LEMBRANÇAS


Hoje caminho pela rua, sentindo saudade sua,
e um vazio no peito meu.
Apesar da sua ausência te encontro em pensamento,
e busco nas malhas do tempo onde foi que se perdeu?
Os velhos tempos idos, corri tanto pela vida,
procurando a juventude perdida
E nem vi o tempo passar.
E passou...
Passou pela minha janela, levou você e a primavera
que morava no meu coração.
E eu vivendo atrás de quimeras, nem vi passar o verão.
Somente senti o inverno, visitar o meu coração.
Hoje eu só tenho a noite fria, que derrama minha alegria
e escoa minha ilusão de te encontrar de novo,
e viver num mundo novo muito além da solidão.


Cristiane Coradi

sábado, 29 de janeiro de 2011

Não se arraste pela mulher que lhe abandonou!!




Não se arraste pela mulher que lhe abandonou
Como dizem: um amor morre e outro recomeça
Quando se ama de verdade o parceiro não tem defeitos
Se ela após muitos anos achou-lhe imperfeições
É por que é imatura e não é merecedora do seu amor

O mundo está cheio de mulheres inteligentes
À procura de um bom parceiro para amar
E você fica aí choramingando e se rastejando
Por alguém que não soube  lhe valorizar?

Saia dessa meu amigo, o mundo da muitas voltas
E como sempre na vida, tudo passará
Olhe à sua volta, viva a vida que é única
E não se volte para trás

Amor é comprometimento mútuo
Não é uma guerrinha de vai e volta
Melhor esquecer agora de sua amada
Do que amargar uma futura vida sofrida

Lua Singular comenta: A volúpia acaba e as discordâncias continuam para lhe fazer infeliz!!!

MÃES: Não maltratem e nem gritem com seus filhos.



Desde que o Mundo é Mundo, a mulher que tem a felicidade de ser mãe, quando eles são bebês tratam-os com carinho, com beijinhos e quer mostrar a todo mundo a sua bela criação. Louvável, a criança é indefesa e precisa dos cuidados maternos.
A partir dos dois anos, como todo mundo sabe, a criança mexe em tudo, faz birras e está descobrindo o mundo e isso é natural. Ela ainda não tem a inteligência para discernir o que pode e não pode fazer. Aí é que entra a mãe com o seu carisma e dedicação ensiná-lo o que pode ou não se deve fazer com paciência e muito amor. Mas não é isso que sempre aconteceu e ainda acontece nos dias de hoje.
Hoje, as jovens mães gritam, xingam seus filhos com diversos palavrões, batem muito quando eles não fazem o que elas querem. O que as mães atuais querem? Passear, fazer gináticas, ir a piscina, fazer compras e muitas com grandiosidade trabalharem para ajudarem no sustento da casa. Quando chegam em casa já não têm mais paciência com os filhos, ao invés de lhe contarem uma estória de fada com seus filhos no colo, começam a gritarem que a casa está toda desarrumada e os brinquedos jogados.
As mães têm que ter sutileza e aos poucos ensiná-los e juntos a guardarem seus brinquedos. Quando a criança faz birra por que querem alguma coisa que vocês não podem dar-lhes, deixem-os birrarem até se cansarem.
Vamos falar um pouco das mães de antigamente: também contavam estórias, nos beijavam e nos batiam muito até quase nos desfalecer se não fizéssemos o que elas queriam. Mas o pior não era apanhar por qualquer coisa  eram os xingamentos que até depois da morte da mãe os filhos não esquecem e o amor por ela se escassa tanto, que às vezes nem se lembram que tiveram uma mãe.
Agora vocês me perguntam: antigamente eram raras as mulheres que trabalhavam, por que então espancavam tanto os seus filhos? É simples, o marido era o machão, só eles trabalhavam e se orgulhavam de serem os tais, suas mulheres tinham que fazer o que eles queriam e ainda apanhavam muito e elas não tinham dinheiro para enfeitar seus corpos e a de seus filhos, os alimentos eram escassos, aí vinha a revolta que elas descontavam em seus filhos.
Portanto meus leitores, tratem bem seus filhos, conversem com eles, beijem-os muito, deem bons conselhos e exemplos de hombridade, caridade e honestidade. Nós somos seus espelhos.



Lua Singular comenta: Cuidado mamãe, palavras doem mais que um tapinha no bumbum.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

O desentendimento no céu!


Houve um pequeno desentendimento no céu
O Sol se apaixonou por uma linda estrela
E nesse ímpeto começaram a namorar
Na imensidão do Universo sem fim

A Lua por sua vez ficou enciumada
Pois era apaixonada pelo Sol
Mas se o Sol chegasse perto da Lua
Era uma morte cruel, ela derreteria

A Lua chorava e apagava a claridade da noite
As estrelas irmãs estavam em preparativos
Para o belo enlace matrimonial e nos esqueceram
A nossa noite ficava mais escura e emudecia
As chorosas ondas do mar

Para os habitantes da Terra foi muito bom
As ondas do mar ficaram mais suaves
A noite os namorados viam as alegrias nos céus
E as quatro estações do ano voltaram
Na sutileza dos belos anos de outrora

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

E O TEMPO NÃO PARA



Tudo na vida tem um princípio, um meio e um fim
O tempo urge e a hora não espera e a vida é curta
Vamos traçar um caminho cheio de expectativas
Com a ajuda de quem mais nos ama: nossos pais

Quando se é criança eles fazem tudo por nós
Devagarinho vamos nos desgarrando deles
Temos que ter vontade própria para vencer na vida
Não é fácil, infelizmente temos que ser o melhor

Mas como ser o melhor? Se dedicando com afinco
Aos estudos, as idéias e as grandes proposituras
Não  se  vive só de sonhos fazemos que eles aconteçam
Sim, eles acontecerão se nós corrermos atrás do lucro

E quanto ao amor escolher seu parceiro(a) certo
Que se unem aos grandes ideais comuns
A vida passa rapidinho e sem percebermos
Já vivemos  nos restando boas ou más recordações

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

A rua deserta



Há! que saudades da minha rua há vinte anos
Vivia repleta de crianças a brincar
Era meu filho mais quatros garotos peraltas
Que viviam a brincar e a aprontar

Pulavam os muros para pegar goiabas
E eles vinham chão abaixo e corriam
Quebravam as vidraças dos vizinhos
E as mães destas pestinhas tinham que pagar

Quando chegava a hora do almoço dava um berro
Sabiam que era hora da bóia e dois sempre vinham
Aproveitar o almoço bem caprichado que fazia
E todos saboreavam correndo para irem brincar

Hoje eles cresceram cada um procurou seu rumo
Por muito anos ainda podia ver as marcas de tinta
Simulando um grande campo de futebol
Que o sol e a chuva apagaram

Hoje a rua está muito deserta sem eles
As casas são gradeadas e as crianças são meninas
Só saem com suas mães pois o perigo está perto
Pelas frestas da janela sonho em vê-los jogar.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

AMOR SINCERO!



É aquele que não tem barreiras banais
Nem a maior muralha irá derrubá-lo
Nem conselhos nem intrigas o matará
Somente dois corpos a se acalentarem

O abraço forte, o perfume um do outro
Arrebentam suas entranhas
Vem o beijo, o carinho, o calor corporal
E explode uma linda e gostosa paixão

Ninguém irá decepar esse grande amor
Nem miséria, nem desemprego
Pois unidos nesse amor vencerão
Todas as barreiras intransponíveis

Privilegiado é aquele que tem quem amar
Os seus olhos tem um brilho estrelado
E de mãos dadas com seu amor
Caminham entre as nuvens da felicidade

Dorli Silva Ramos

A CRIAÇÃO DO MUNDO




Deus quando criou o mundo não imaginou
O tamanho desalento e destruição entre Seus filhos
O mundo desde da sua criação seus habitantes
 Eram cruéis que Deus resolveu mandar seu Filho Jesus

Para tentar salvar a humanidade e como resposta:
Seu filho foi injustiçado, arrastado e morto na cruz
Deus deu muita inteligência para homem
E ele não soube usá-la para fazer o bem

E Hitler e muitos outros assassinos cruéis
Em que lugar Deus os colocou?  Ou dormem?
Enquanto eles dormem nós sofremos consequências
Da ganância e do desamor da humanidade

Não haverá de demorar muito tempo
Deus, nosso Pai irá resolver essa situação
Com Suas mãos Divinas fará um simples aceno
E tudo se acabará...

domingo, 23 de janeiro de 2011

FIM DA ESTRADA


FIM DA ESTRADA

(Francisco Bueno)



Que estranha é a tal felicidade
que procuramos com empenho profundo.
Os sofrimentos duram uma eternidade
e a alegria alguns poucos segundos.
Talvez a vida seja rápida demais,
com poucos risos e muitos ais,
para nos lembrar que somos simples mortais.
Todavia, a morte não mata nossos ideais
quando estes se sedimentam no amor e na paz.
Não gostamos de pensar no fim da estrada
nem na alma triste do corpo separada.
Afinal, dói a separação da família amada
contemplando sobras de roupas no armário guardadas.
Corremos tanto para a luz da vitória brilhar
que não temos tempo nem para nós mesmos.
Quando percebemos a velhice não tardou em chegar
e, então, sentimos que caminhamos a esmo.
A morte é uma ladra muitíssimo ágil
dando preferência a um corpo já frágil
e após subtrair a vida sem qualquer piedade
deixa somente o rastro da dor e da saudade.
Feliz do homem que só trilha o caminho do amor,
pois no fim da estrada repousará nos braços do Senhor.

Lua Singular comenta: Francisco Bueno é um gênio na escrita. Advogado muito competente, escreve para o nosso jornal " A gazeta Palmeirense", faz serviços comunitários, ótimo esposo e pai de família e excelente amigo em todas as horas.
Obrigada "Chico" por ter você como amigo.
Dorli

sábado, 22 de janeiro de 2011

AGRADECIMENTO:




MEUS LEITORES: VENHO MAIS UMA VEZ AGRADECER AS MUITAS VISUALIZAÇÕES DO MEU BLOGUINHO, EM ESPECIAL AOS LEITORES DE OUTROS PAÍSES.
POSTAGENS COM MAIORES VISUALIZAÇÕES:
Nossa Senhora Aparecida
Eleições 2010
Flores do Campo
Mente enígma idescifrável
Paixão
Felicidade, emenda Constitucional
O pôr do Sol
Para Ana Salviato Ezequiel
25 de dezembro: Nascimento de Jesus
Dois em um

E muitas outras...
Por favor, me visualizem bastante para ativar meus neurônios, pois já tenho 63 anos e quero escrever minhas reminisciências, que por sinal são muitas.
Vivi em vários lugares, tive muitos empregos, muitos amigos, os quais me inspiro, amei e amo muito a vida.
Podem mandar seus comentários em português, inglês, francês, espanhol e italiano.
             M  U  I  T  O    O  B   R  I  G  A  D  A

Dorli.                                                

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O desalento


Não fiquem se curvando ao desalento
Pois a desesperança pode mudar
Vocês encontrarão forças em Deus
E boas energias surgirão

Nesse mundo ninguém é feliz plenamente
Quando chegam os problemas ficamos apáticos
Resolvidos volta toda a alegria de viver
Não se desesperem com problemas fúteis

A vida é como as belas ondas do mar
Certos dias elas ficam muito calmas
Em outros ficam bem furiosas
Assim nos acostumamos aos tropeços

Olhemos com criticidade sempre à nossa volta
Quantas são as pessoas famintas e doentes
E vocês vivem a reclamar de tudo?
Lembrem-se: Deus da Deus tira...







Lua Singular comenta: A fé em nosso Criador ainda é o melhor remédio.

Hino de Santa Cruz das Palmeiras

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Amor entre homem e mulher


Sorrirmos juntos nas grandes alegrias
Chorarmos em demasia nas horas tristes
Ter comprometimento  um com o outro
Repartir o prato de comida se for escasso

Trabalharmos muito para ter boa estabilidade
Dividirmos as várias tarefas diárias
Consolar-nos mutuamente na nostalgia
Nos completarmos em um único ser

Agradecermos a Deus pelos filhos sadios
Mas se não os forem aceitá-los com amor
O tempo encarrega a termos oportunidades
Cabe a nós sabermos usufruí-las

Deus nos deu muita inteligência
Para  discernirmos o que é bom
Ou ruim para nós seres pensantes
O amor é lindo quando é sincero!

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

As alegrias e o calvário de ser mãe



Gravidez: muitos preparativos e grandes esperanças
Do nascimento de uma linda criança perfeita
Os cuidados de mãe, as noites mal dormidas
A escola, os aniversários, as briguinhas

Já na adolescência surge a revolta contra o mundo
Peculiar a todos os adolescentes de hoje
As trapaças, as drogas, os erros, as mentiras
A mãe sofre calada e é passada para trás

Não gosta de palpites, diz que é inteligente
É auto-suficiente para viver e fazer acontecer
Quando surge um problema sério a quem procura?
A mãe, a sofredora, a errada e ultrapassada

Mas a vida vai lhe ensinar muito tarde
Que a única pessoa que o ama realmente
Com sofregidão  e lágrimas é sua mãe
Sossegamos mães, pois o maior sofrimento foi
Da mãe de Cristo ao vê-lo morrendo na cruz

SEM NADA
PODER
FAZER



Mas Ele ressuscitou...

Lua Singular comenta: eduquemos melhores os pequeninos para diminuir os nossos sofrimentos.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

BONEQUINHA DE PANO !



Veja que garota linda de 22 anos maus vividos
Não sabe o que quer na vida e se deixa influenciar
Não tem atitudes próprias, precisa de conselhos
Se for bom ou mau para ela, absorve-os

O tempo vai passar a bonequinha ficará só
Chorará muito e dirá que não teve sorte
O amor bateu à sua porta várias vezes
Não aceitava com firmeza pois dependia de aval

O tempo passará mais depressa ainda carregando
Consigo sua beleza de bonequinha de pano
Quem irá lhe querer agora? Ninguém
Estará velha, feia , rabugenta e prepotente

Tudo poderia ser diferente se ela tivesse
Sua própria personalidade. Só sua
Teria hoje um homem que cansou de lhe amar
E outra, de carne, foi procurar

domingo, 16 de janeiro de 2011

AGRADECIMENTO: Flores do campo



                                                                                               O  B  R  I  G  A  D  A

LUA SINGULAR AGRADECE A EXPRESSIVA VISUALIZAÇÃO DE FLORES DO CAMPO

                                                                                                Umas singelas poesias (haicai)

 As flores são como a vida                    
 Tem curto tempo de duração                
 Mas deixam sementes


 O perfume da flor                                   
 Me lembra você meu amor                   
 Não lhe esqueço

     
  A tristeza corroe o coração                  
  Pois flores são de minha paixão         
  Se leva no caixão   

  Receber uma flor do campo
 É mais sutil que um anel de brilhante
 Flor tem perfume anel não

 Uma flor quando morre
 Doe muito nosso coração
 Mas surgem outras

  A noiva carrega um buquê
  De lindas orquídeas todas coloridas
  Já prefiro as do campo      
                                

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Um vento destruidor!



O dia estava claro  cheio de alegrias sutis
Num ímpeto começou um vento muito forte
Foi uma gritaria fechei a porta eu e meus alunos
Ficamos com medo debaixo das carteiras e mesa


O vento assoviava e a chuva caía torrencialmente
Orava muito para que essa tempestade parasse
Não matasse ninguém e nem o meu jardim florido
O vento passou a chuva chuviscou...


Voltei pra casa com uma boa esperança
Com a casa quase nada aconteceu  apenas
 Algumas telhas quebradas e meu jardim?
Todo encharcado, as rosas chorando no lamaçal


Oh! rosas de todas as cores morrendo e eu a soluçar
As vermelhas olhavam-me com uma ar sofreguedor
Aconcheguei-as no meu peito e prometi a elas
Não haverá de demorar muito tempo suas filhas ressurgirão


domingo, 9 de janeiro de 2011

HAICAI - poesia



HAICAI
Do Japão para o Brasil

   Haicai é o nome de um tipo de poesia muito especial que surgiu no Japão... e depois ganhou adeptos em todo mundo. Seu segredo é ter poucas palavras e mesmo assim fazer a gente pensar. Ele é simples e profundo ao mesmo tempo, porque você lê e precisa refletir um pouquinho para entender.
   No Japão, um haicai cabe apenas em uma linha, mas aqui usamos sempre três. Ex:

" A nuvem atenua
O cansaco das pessoas
Olharem a lua."

De Millôr Fernandes

O maior divulgador do haicai foi o poeta Matsuo Bashô, que nasceu em 1644, no Japão. Leiam uma poesia dele e haicais de outros três autores:

 "Velho lago                                           
  Mergulha a rã                                      
  Barulho d'água"  
                                     
   Matsuo  Bashô 
                                        

    "A pedra atirada...                                 
     No fundo do lago de outono                    
     Desmorona o céu"  

      Francisco Handa   


      " Um aeroplano
       Em busca de combustível
       Oh! é um mosquito."

       Afrânio Peixoto


       "Que cheiro cheiroso
        De terra molhada quando
        A chuva chuvisca!...
   
        Angela Leite de Souza                 


O haicai é formado por três versos, sendo o primeiro e o terceiro mais curtos e o do meio mais longo.
Alguns haicais têm rima, outros não. Mas todos tratam de um momento singelo da natureza, com um pouco de humor e comparacões criativas.
"Haijin" é como se chama um escritor de haicais.
Pronuncie "haiku", se quiser falar em japonês.

Repare , por exemplo, no haicai escrito por Francisco Handa. O céu que "desmorona" é, na verdade, o reflexo dele na água, que se agita por causa da pedra.

 TUDO EM TRÊS LINHAS 
                                                                          
Você já notou uma folha caindo levemente de uma árvore? E os pingos de chuva batendo na janela? Pois é.
Observe a natureza ao seu redor e tente fazer comparações interessantes.
Qualquer pessoa pode escrever um haicai... basta tentar

  VOU TENTAR:                                                      

                As ondas do mar                          
                Quebram fortes na praia              
                Respingam meu rosto  


                O branco do orvalho
                 Veste a enorme relva
                 Perto da Estação                   
                                                            
Trechos retirados: Descobrindo a Língua Portuguesa. Recreio. Editora Abril.

Lua Singular comenta: Professores, ensinem poesias para os alunos, eles poderão ser sensíveis a elas e quiçá virem ser grandes poetas e poetisas.

sábado, 8 de janeiro de 2011

Um homem de sorte!






Quando tinha apenas sete anos de vida
Vivia em São Paulo com meus pais e irmãos
Debaixo de uma ponte na mendicidade
Era triste não ganhar presentes no Natal
E não ter quase nada para comer

Banho nem pensar, mas tinha algo no meu olhar
Apanhava muito quando não trazia dinheiro
Mas um dia tudo mudou na minha vida
Um casal que sempre me via adotou-me

Depois de todos os papéis prontos
Sumimos para uma cidade da Região Sul
Lá eu cresci, estudei nos melhores colégios
E tinha o essencial: o amor de "meus pais"

Não contava pra ninguém o acontecido
Me formei, casei-me com uma mulher maravilhosa
Tivemos os nossos filhos na bem querência
E um belo detalhe: cuidamos dos velhos
Até a morte

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

O beijo roubado!


Meu primeiro beijo foi roubado
Foi um selinho d'um garoto atrevido
Pensei comigo mesma: isso  é beijo?
Que chatice não vou mais beijar ninguém

na adolescência primeiro namorado
Era lindo e logo se apaixonou
Seus beijos eram longos e calientes
Me sufocavam e eu nada sentia

Foi numa festa de final de ano que conheci o amor
Chegou devagarinho, beijos leves e gostosos
Não passou muito tempo eu me apaixonei
Tratava-me como uma fada d'um lindo castelo

Como tudo na vida tem um fim
Esse amor também morreu no tempo
Depois de muitos encantos e desencantos
Encontrei finalmente o verdadeiro amor
E os beijos continuam ardentes...

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

As ondas do mar


As  belezas das ondas do mar
Encantam todos quem as veem
Não se cansam de quebrar nas praias
Num vaivém sem fim

Como é bom caminhar na praia
Bem antes do belo alvorecer
Ouvir o barulho das grandes ondas
A recordar os amores que perdemos

Quando aparece o pôr do sol na praia
Parece que as ondas estão cansadas
Seus barulhos são muitos intensos
No silêncio da praia só paz

Mas as ondas são traiçoeiras
Se apaixonam por nós com ardor
Pois estão enciumadas ao ver-nos
Só caminhando e elas sem descansarem

domingo, 2 de janeiro de 2011

Um lindo jovem rei que queria se casar!


Num reino muito longínquo daqui, há muitos anos, num belíssimo castelo morava um jovem e belo príncipe com seu pai, viúvo e doente. O nome desse príncipe era Robert. Não demorou muito o nobre rei faleceu e o jovem príncipe iria ser coroado rei em poucos dias. Aconteceu o intento.
Então Robert, muito lindo, queria desposar a jovem mais bela e com as melhores qualidades domésticas escolhidas a dedo por ele. O boato se expandiu por todo o reino e as jovens ficaram todas atiçadas para ser a esposa do rei, ou seja, a rainha de um grande reino.
O rei mandou seus súditos escolherem em todo o seu reino as jovens mais belas e com as qualidades exigidas por ele. E começou o censo.
Num casebre de família miserável morava uma linda jovem, mas que sua única qualidade era ser boa, mas não sabia fazer absolutamente nada.
Sua mãe muito astuta e devota das almas, disse que à sua filha que ela iria ser a esposa do rei, a mais bela rainha do reino.
- Mas como disse a filha?
- Deixe comigo, disse a mãe.
Não demorou muito tempo um súdito bateu a porta de sua casa, a mãe abriu e o súdito perguntou:
- A senhora tem filha bonita com boas qualidades domésticas?
- Ela respondeu:
- Sim, tenho a Brigid que sabe cozinhar como ninguém, sabe costurar, lavar e passar muito bem, passaria as vestes do rei tão bem que tenho certeza que ele jamais vestiu.
O rei de posse dos questionários ficou curioso com as respostas da mãe de Brigid e mandou chamar a bela jovem.
Brigid ficou nervosa e sua mãe falou-lhe para que ela ficasse tranquila que o resto as almas dariam conta.
Brigid chegou ao castelo e quando recebida pelo rei, por ela se encantou e ele disse:
- Você tem todas as qualidades que sua mãe relatou?
- Sim, respondeu a jovem toda trêmula.
Foi marcado o casamento. Que emoção!
Na véspera do belo acontecimento bateram a porta do castelo. O rei ao abri-la espantou-se ao ver tamanha monstruosidade de uma mulher e perguntou:
- Por que a senhora tem esse rosto todo queimado; essas mãos tão calejadas; e como ficou assim tão corcunda?
A mulher respondeu:
- De tanto cozinhar e soprar fogo; de tanto lavar e passar roupas e de tanto costurar.
O rei deu-lhe uma moeda e a pedinte foi embora.
No outro dia foi celebrado o esperado casamento com uma suntuosa festa. Os noivos estavam maravilhosos e o rei só pensando na pedinte.
No outro dia, o rei ao acordar disse a sua linda esposa e rainha:
A partir de hoje, minha  rainha não irá cozinhar, lavar, passar e nem costurar. Quero você sempre linda só para mim, deixe que nossos empregados cuidem disso.
Enfim, que alívio para a jovem rainha, lembrou-se que sua mãe rezava muito para as almas. Elas lhe salvaram.

Lua Singular comenta:
Estórias que o povo conta: minha saudosa mãe contou-me essa estória, muitas vezes, para mim.
Quantas ilusões colocavam em nossas cabecinhas.